Correnteza dificulta mudança de posição do empurrador naufragado em Óbidos

publicidade

Tentativas realizadas pela Smit para desvirar a embarcação foram suspensas por hoje. Trabalhos serão retomados na manhã de quinta-feira (30).
Correnteza é desafio para operação de salvatagem do empurrador CXX, em Óbidos (Foto: Marinha/CFS/Divulgação)
operação de içamento do empurrador CXX, da empresa de transportes Bertolini, do fundo do Rio Amazonas, e resgate dos corpos de nove desaparecidos, em Óbidos, oeste do Pará, parou os trabalhos nesta quarta-feira (29) por volta das 15h, sem ter conseguido desvirar a embarcação, como pretendia a Smit, empresa responsável pela execução do plano de salvatagem.

De acordo com informações colhidas pela equipe da TV Tapajós que está em Óbidos acompanhando a operação, o ponto para onde o empurrador foi arrastado na terça-feira (28), embora seja mais rasa [20 metros de profundidade], tem muita correnteza, o que dificultou bastante o trabalho e frustrou todas as tentativas de desemborcar a embarcação.

A balsa com os equipamentos da Smit foram estacionados e os trabalhos só serão retomados na manhã desta quinta-feira (30).

O plano de trabalho da Smit, a partir de quando o empurrador for colocado em nova posição, é colocar uma rede em cima dele, com o apoio da garra. Depois, serão feitas amarrações com cabos que serão presos no guindastes. Antes disso, a cábrea vai para sua balsa de apoio, onde será feita a retirada da garra e a amarração por cabos. E somente depois, ocorrerá o içamento da embarcação.

Familiares dos desaparecidos seguem em Óbidos, acompanhando a operação para içamento do empurrador.

*Colaborou Débora Rodrigues, repórter da Tv Tapajós

Blogdocarpê com informações G1 Santarém 


Nenhum comentário