Idosos são ignorados por motoristas de ônibus e passageiros em Santarém

publicidade

Público da melhor idade denuncia que ônibus não param no ponto de embarque e passageiros fazem "cara de paisagem" para não cederem assentos
Santarém - Ônibus que não param, jovens que não cedem lugar em assento para idoso sentarem e motoristas que não tratam bem os passageiros são algumas das reclamações de quem usa o transporte público em Santarém. A situação ainda é pior no caso de idosos que ainda são alvo de maus tratos no transporte público. A reportagem do Blogdocarpê esteve nas Paradas de localizado na avenida Rui Barbosa Centro, de Santarém, onde ouviu o público da melhor idade e registrou situações de descaso.
A principal reclamação dos entrevistados com mais de 60 anos foi em relação a passageiros, principalmente jovens que insistem em ignorar a presença de idosos nos ônibus e não cedem assento preferencial, além de motoristas que não param quando é feito o pedido de sinal de parada.

Em relação aos assentos, o lugar é assegurado pela Lei Federal nº 10.048/2000 aos idosos. No artigo 3º, consta que "as empresas públicas de transporte e as concessionárias de transporte coletivo reservarão assentos preferenciais, devidamente identificados, aos idosos, gestantes, lactantes, pessoas com deficiência e pessoas acompanhadas por crianças de colo. Já os motoristas ou passageiros podem ser penalizados no valor unitário R$99,84".

Quem também já sofreu com o distrato dentro do transporte em Santarém foi o fotógrafo José da Silva, de 61 anos, que por várias vezes não pode seguir viagem no lugar que é reservado a ele. "Acontece de eu entrar e os jovens não darem lugar. Às vezes eles ficam até aborrecidos e fingem que não nos veem e seguem viagem sem falar nada"

Além dessa situação, outra reclamação é quando o ônibus não para no ponto, deixando os passageiros esperando pela próxima condução. Esse episódio já ocorreu com o marceneiro Jose Antônio Felix, de 60 anos. "Alguns param no local certo, mas outros, se tiverem uns quatro idosos na parada de ônibus, eles passam direto. Além disso, os jovens que estão sentados não levantam par dar lugar, nem nas cadeiras preferenciais e muito menos quando elas já estão ocupadas. Nesses casos eu nem peço, fico ali parado na minha e quieto. Eu ainda posso seguir viagem em pé, mas tem aqueles idosos que não podem nem se segurar", afirmou.

O técnico em telecomunicações Mariano Lemos, de 63 anos, usa pelo menos dois ônibus por dia e a maior reclamação dele é com os motoristas. "Eles não param nos pontos de ônibus, ainda mais se você tiver sozinho. Às vezes quando estamos entrando eles já estão acelerando. Detalhe é que os jovens também fingem que não estão nos vendo que a gente não existe. A gente precisa de uma política de transporte público mais digna, isso acontece em todo Brasil mais em Santarém é mais acentuado.

Segundo um especialista Especializada em Crimes contra o Idoso, informa que tanto os colaboradores do transporte público quanto os passageiros podem ser indiciados caso seja comprovado a situação de maus-tratos. "O motorista é o responsável dentro do transporte coletivo e o idoso deve se dirigir a ele caso esteja ocorrendo algum transtorno. Passageiro que também se omite a alguma situação em relação a um idoso, ou qualquer outro passageiro, está sujeito a responder por crime omissivo previsto no artigo 135 do Código Penal Brasileiro (CPB). Pedimos que as famílias olhem melhor para seus idosos e que as pessoas tenham mais empatia pelas outras", orientou.

Ainda segundo o especialista, os principais casos acompanhados pela especializada são de crimes familiares, abandono, maus-tratos e contraversão penal e a perturbação da tranquilidade. "Crimes em transportes públicos podem ser registrados em qualquer delegacia", destaca o delegado.

Para registrar o Boletim de Ocorrência (B.O) basta informar a placa do ônibus e o horário aproximado em que ocorreu o fato. Quem não quiser ser identificado pode ligar para o disque-denúncia do Ministério Público: 100, ou 181 que recebe denúncias em geral.

Além dos idosos, qualquer usuário do transporte coletivo pode denunciar, por meio do Serviço de Atendimento Comunitário (SAC), onde são recebidas sugestões, denúncias, reclamações e elogios.

Para que seja registrada a denúncia você precisa de algumas informações:

- Número de ordem do coletivo ou placa do veículo (localizado na lateral ou na traseira);

- bairro da linha do ônibus;

- Empresa a qual pertence o ônibus é obrigatório);

- Horário do ocorrido;

- Ponto de referência do ocorrido.

Edição: Carpegiane Aguiar


Nenhum comentário