Após cinco anos, presídio feminino de Santarém é inaugurado pelo Governo

publicidade

A unidade com capacidade para 86 presas, tem berçário e posto médico. Nas próximas duas semanas, 67 presas devem ser transferidas para o novo prédio.

Com capacidade para 86 detentas, o Centro de Recuperação Feminina de Santarém, no oeste do Pará, foi inaugurado nesta sexta-feira (6) cinco anos após o início das obras. Nas próximas duas semanas, 67 presas devem ser transferidas para o novo prédio.

A penitenciária feminina é a primeira exclusiva para mulheres condenadas no oeste do estado. A unidade tem berçário, espaço para aulas, celas coletivas, individuais e algumas adaptadas para pessoas com necessidade especiais.

A unidade prisional conta ainda com sala de amamentação, sala de vacinação, brinquedoteca, consultórios médicos e refeitório. O prédio possui ainda três salas de revista, quatro guaritas de vigilância e recepção com vidros blindados.

A inauguração contou com a presença do delegado geral da Polícia Civil do Pará, Rilmar Firmino, do superintendente do Sistema Penitenciário do Estado, Rosinaldo da Silva, do comandante regional da Polícia Militar, coronel Héldson Tomaso e outras autoridades.

A população carcerária feminina em Santarém é de 67 internas. Elas serão transferidas para o Centro de Recuperação Feminina nas próximas duas semanas, quando será concluída a capacitação com os novos agentes penitenciários.

“Esse novo equipamento trará, principalmente, um melhor atendimento, não só para as internas, mas aos seus familiares, que irão fazer uso do novo prédio e dos serviços que serão prestados”, destaca o coronel Anderson Mardock, diretor do sistema penal de Santarém.

População carcerária atual
A população carcerária no Centro de Recuperação é de 924 internos, somando homens e mulheres. A Central de Triagem possui 341 presos. Ao todo, incluindo os presos da Central de Triagem, são 1.332 internos no complexo de Cucurunã.

O polo penitenciário atende a todos os municípios do oeste do Pará nos três regimes: fechado, semiaberto e provisório. “A população hoje está acima da sua capacidade, que gira em torno de 380 pessoas”, finaliza.

Atrasos e rescisão de contrato

O primeiro prazo de entrega da obra informado pelo Governo do Estado estadual foi setembro de 2014, um ano após o início da construção da cadeia. A empresa responsável abandonou a obra e o contrato foi anulado, gerando o primeiro atraso no cronograma.

Depois, outra empreiteira assumiu a obra. A nova previsão de entrega do presídio feminino era para janeiro de 2016, mas houve mais uma vez atraso no cronograma e a inauguração foi marcada para o primeiro semestre de 2018.

Determinação judicial
A Justiça do Pará havia determinado que o Estado e a Susipe providenciassem melhorias no Centro de Recuperação Agrícola. O pedido foi feito pelo Ministério Público ainda em 2012, quando uma fiscalização no local constatou uma série de irregularidades na unidade.

Blogdocarpê com informações G1 Santarém 


Nenhum comentário