Leilão dos bens de Reginaldo Campos é marcado pela Justiça para o dia 18

publicidade

A 2ª Vara Criminal de Santarém, oeste do Pará, marcou para 18 de outubro, o leilão dos bens imóveis do ex-vereador Reginaldo Campos, réu da “Perfuga”, devolvidos por ele como efeito de colaboração premiada homologada em 31 de janeiro de 2018. Os recursos arrecadados com o leilão dos bens avaliados em R$ 1,1 milhão serão revertidos em reforma e ampliação do Hospital Municipal de Santarém por sugestão do MP.

Os imóveis em questão são uma residência localizado no Condomínio Tapajós Royal Ville na Avenida Fernando Guilhon, bairro Elcione Barbalho, nas proximidades do Shopping Rio Tapajós, avaliada em R$ 976.270,40, e um terreno, no mesmo condomínio, avaliado em R$ 222 mil.

Segundo o juiz Rômulo de Brito, talvez o caso de Reginaldo Campos seja o primeiro no Pará, de ex-vereador que entrega bens à Justiça para devolver recursos desviados do erário público. "Nós temos já bastante experiência na magistratura, e nunca tínhamos visto uma situação similar a essa, de vereador devolver dinheiro desviado. Talvez seja o primeiro caso na região Norte e até do Brasil", disse.

As pessoas interessadas em dar lances no leilão poderão fazer a visitação aos imóveis no dia 17 de outubro, das 10h às 11h. O leilão ocorrerá nas modalidades presencial e eletrônico. O cadastro dos interessados deve ser feito previamente no site.

Péricles Weber de Almeida é o leiloeiro nomeado pelo juiz da 2ª Vara Criminal de Santarém, Rômulo Nogueira de Brito, para a venda de bens do ex-vereador Reginaldo Campos.

Apesar de destinar os bens a leilão para devolver aos cofres públicos os recursos desviados em sua gestão como presidente da Câmara nos anos de 2015 e 2016, o ato não exime Reginaldo Campos do cumprimento de pena de dois anos e meio em regime fechado, dois anos em prisão domiciliar e o restante em regime aberto.

Reginaldo Campos foi preso no dia 7 de agosto de 2017, pela Polícia Civil em operação oconjunta com o Gaeco do Ministério Público, denominada "Perfuga", sob acusação dos crimes de: Atentado contra a segurança do serviço de utilidade pública, peculato, falsidade ideológica, inserção de dados falsos em sistemas de informação e associação criminosa.

Fonte G1 Santarém


Um comentário:

  1. Era para acontecer a mesma coisa com os ladrões q saquearam o Brasil. Atitude louvável do magistrado.

    ResponderExcluir