Novos acampamentos clandestinos são destruídos em operação de combate ao desmatamento ilegal

publicidade

Dois acampamentos improvisados foram destruídos, na terça-feira, 27, dentro da Área de Proteção Ambiental (APA) Triunfo do Xingu, localizada entre os municípios de Altamira e São Félix do Xingu. Os alojamentos, construídos com troncos, folhas e lonas plásticas eram utilizados como abrigo por madeiros que atuavam dentro da floresta de forma ilegal. Para não serem encontrados, os madeireiros bloquearam a estrada com árvores e fugiram após ouvirem o barulho das equipes de fiscalização da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), Batalhão de Polícia Ambiental (BPA) e Instituto do Meio Ambiente e Recursos Naturais e Renováveis (IBAMA).

O fiscal, Marco Oliveira, conta que as equipes seguiram por caminhos de difícil acesso até encontrar os alojamentos, e que o encontro só foi possível devido ao monitoramento. "Os acampamentos ficam dentro da área de desmatamento que foram localizadas via satélite. Na mata, a gente busca pelos caminhos que levem até os acampamentos. Nesses dois últimos, nós encontramos até roupas penduradas que foram deixadas para trás", contou o fiscal.

A operação iniciada no domingo, 25, desarticulou 11 acampamentos clandestinos de madeireiros que retiravam as árvores da floresta de forma ilegal. Foram apreendidos quatro tratores do tipo escavadeira, seis armas de fogo, 14 motosserras e 19 motocicletas. A operação continua na região.

LEGISLAÇÃO

De acordo com a legislação brasileira, dentro da APA é permitida a criação de propriedades privadas. A exploração madeireira da área requer autorização do órgão ambiental responsável. Mas as equipes de fiscalização registraram ao longo da vistoria, vários pontos de queimada e retirada ilegal de madeira. Por isso, até agora, aproximadamente 6.000ha estão em processo de embargo. A área não poderá ser usada para qualquer destinação sem que seja realizada a regularização fundiária e ambiental do local. A Semas segue fazendo a análise das propriedades dentro da Triunfo do Xingu, cruzando o Cadastro Ambiental Rural (CAR) com os dados de Desmatamento não autorizado.

Fonte: Agência Pará


Nenhum comentário