Header Ads


Caso Wendria: polícia acredita que testemunha foi baleada por dizer que não sabia de nada sobre a morte da amiga

O caso de uma jovem morta no bairro Santarenzinho em Santarém, oeste do Pará, e da amiga dela que sofreu uma tentativa de homicídio tem repercutido na região. A Divisão de Homicídios está investigando o caso e fazendo diligências para elucidar o caso e prender os responsáveis.

De acordo com a polícia, a testemunha foi torturada e atingida com mais de 10 tiros por amigos de Wendria, que suspeitavam que Sabrina Rufino Vieira, 20 anos, pudesse saber quem matou a jovem ou até mesmo, que tivesse envolvimento no crime, já que elas moravam junto.

“Ela foi alvo de tortura e de tentativa de homicídio por não terem acreditado que ela não pudesse ter ouvido o disparo que cerceou a vida de Wendria. Ela estava na casa e ela relata que não ouviu, então em face disso, possivelmente eles tenham torturado ela para contar ou acharam que ela tinha alguma participação na morte de Wendria”, disse o delegado Gilvan Almeida, que preside o inquérito.
A jovem foi pega no bairro Vitória Régia e levada de carro para o ramal do Jatobá, na região do Eixo Forte, onde foi torturada e recebeu mais de 10 tiros.

Sabrina foi socorrida e levada para o Hospital Municipal Dr. Alberto Tolentino Sotelo onde passou por procedimento cirúrgico no braço realizada para retirar fragmentos de estilhaços de arma de fogo e segue internada sem previsão de alta. O quadro de saúde é considerado estável.

Principal suspeito é identificado

A Divisão de Homicídios identificou o principal suspeito de ter cometido o crime. Trata-se de um foragido da justiça, inclusive condenado por tráfico de drogas.

“Esse indivíduo possivelmente tenha subtraído da casa de Wendria 2 kg de drogas, a quantia de R$ 10 mil em dinheiro e a arma que supostamente a vítima possuía. Então é um indivíduo de extrema periculosidade e qualquer informação a população pode nos ajudar para que possamos realizar a captura dele”, contou o delegado Gilvan Almeida.

Os crimes aconteceram na segunda-feira (10), e no mesmo dia a polícia abriu um inquérito para investigar o caso. Um suspeito de envolvimento no crime foi identificado e a polícia já pediu à justiça a prisão preventiva.

Fonte G1 Santarém 

Nenhum comentário