Header Ads




Prefeito solicita ajuda ao governador para impedir voos de Manaus para Santarém

Prefeito não quer expor população ao risco: porta de entrada

A empresa Azul Linhas Aéreas terá que explicar o anúncio que fez sobre a retomada dos voos do trecho Santarém/Manaus. A empresa foi notificada pelo Governo do estado após intervenção do prefeito Nélio Aguiar junto ao governador Helder Barbalho. O estado do Amazonas registra, hoje, a maior incidência da doença covid-19 entre todas as unidades federativas do país e seu sistema de saúde entrou em colapso. A empresa tem o prazo de 24 horas para responder a contar de sua notificação.

O gestor municipal ficou sabendo da informação de retomadas dos voos pela companhia aérea e imediatamente tomou providências para evitar que a segurança da população santarena fique em risco devido à pandemia do novo coronavírus.

Nesta manhã, 16, o governador Helder Barbalho informou ao prefeito que determinou que a Procuradoria Geral do Estado (PGE) tomasse providências em relação ao caso. A PGE enviou à Azul o ofício 189/2020, no qual solicita informações técnicas e legais sobre a decisão de retomar os voos para a capital amazonense.
Aeroporto Municipal passou recente por serviço de satinização

“Assim que tomamos conhecimento de que a empresa Azul Linhas Aéreas vai retomar seus voos para Manaus, entramos em campo e solicitamos ajuda junto ao governador para tentar barrar qualquer movimentação que coloque em risco a proteção da população santarena e região de entorno. Somos pioneiros nas medidas de prevenção e não podemos expor nossa população ao risco. Nosso estado vizinho não vive um bom momento, somos solidários, mas temos que fechar todas as portas de saída ou de entrada dessa doença invisível”, disse o prefeito Nélio Aguiar.

No documento entregue à companhia aérea, a PGE solicita as seguintes informações:

Quais os critérios técnicos que embasaram a tomada da decisão de retomada desses voos, inclusive com a demonstração documental de eventuais consultas às Agências Federais que regulam a matéria (ANVISA e ANAC)?

Quais as medidas de defesa/proteção sanitária que serão adotadas para minimizar a possibilidade de transporte de passageiros infectados nos voos acima referidos, reduzindo o risco de disseminação do novo coronavírus no Estado do Pará? Está havendo articulação da empresa com a ANVISA nesse sentido?

Blogdocarpê com informações Agência Santarém 

Nenhum comentário