Header Ads




Comandante, 2 militares e mais 3 são indiciados por naufrágio de navio que matou 40 no Amapá

Investigações da tragédia do Anna Karoline 3 foram concluídas na segunda-feira (25) e elencaram série de erros cruciais para o acidente.
Inquérito do naufrágio do Anna Karoline 3 é concluído e seis são indiciados pela polícia

Após quase três meses do naufrágio do barco Anna Karoline 3, no sul do Amapá, a Polícia Civil do estado fechou o inquérito que indiciou seis pessoas, entre elas, o comandante da embarcação e dois militares da Marinha. A tragédia aconteceu em 29 de fevereiro e deixou 40 mortos e 51 sobreviventes.

Eles foram indiciados por dolo eventual, quando se está ciente dos riscos e, mesmo assim, os assume. Além deles, um tripulante foi indiciado por falso testemunho, um despachante por falsidade ideológica e o proprietário do barco que realizou o abastecimento clandestino do Anna Karoline, por crime de ordem econômica.
Delegado responsável pelo inquérito do naufrágio, Victor Crispim — Foto: Caio Coutinho/G1

A investigação foi encerrada na segunda-feira (25) e apontou que o navio estava com 70% de sobrecarga. O encarregado do inquérito, delegado Victor Crispim, disse que a embarcação deveria carregar, no máximo, 100 toneladas, mas no dia do naufrágio, transportava cerca de 175 toneladas.

O delegado também falou que o disco de plimsoll, que é uma marcação de segurança pintada no casco, que indica o limite de carga do navio, estava supostamente adulterada.
Vídeo mostra carga embarcada no navio Anna Karoline 3, que naufragou no Sul do Amapá — Foto: Reprodução

“Existe uma medida presente em documento oficial da Marinha, que diz que o disco fica a 18 metros e 55 centímetro da proa, mas, de acordo com a medição da perícia, essa marcação estava a 15 metros, 3 metros mais para a frente, exatamente para transportar mais carga”, explicou.

O delegado disse que das 100 toneladas de carga padrão, 89 deveriam ir no porão e 11 no convés. Com quase 175 toneladas, a maioria da carga estava no convés, o que foi determinante para o naufrágio.
Área do naufrágio da embarcação Anna Karoline 3, entre o Amapá e o Pará. A tragédia aconteceu no dia 29 de fevereiro de 2020 — Foto: Maksuel Martins/Secom

As investigações apontaram que não somente o excesso de peso influenciaram para o acidente, mas sim uma série de fatores:

A rota feia pela embarcação não era autorizada pela Capitania do Portos;

O despachante do porto emitiu documento com informações falsas sobre a carga;

Militares da Marinha não passaram mais de 5 minutos fiscalizando o navio;

A embarcação fez um abastecimento irregular no meio da rota;

As condições climáticas não eram favoráveis para tal manobra;

Quem conduzia o barco no momento do abastecimento era o tripulante indiciado e não o comandante.

Crispim também afirmou que o comandante alugou o Anna Karoline em 2019 para salvar as finanças, três dias após ter se envolvido em um incêndio numa embarcação no interior do Pará e ter contraído uma dívida milionária.

“Tudo leva a crer, que devido a essas dívidas, colocou todas essas mercadorias por ganância, que resultou, infelizmente, na morte de 42 pessoas”, detalhou.
Navio Anna Karoline 3 antes do acidente — Foto: Reprodução/Redes sociais

Em depoimento, os militares disseram que fiscalizaram o barco por 25 minutos, mas câmeras de circuito interno do Porto do Grego, ainda em Santana, há 17 quilômetros de Macapá, confirmaram que eles ficaram pouco menos de cinco minutos. Segundo passageiros sobreviventes, a fiscalização não chegou a adentrar no barco.

O delegado informou que a hipótese de superlotação está descartada, pois o barco tinha 93 passageiros, 7 a menos que o limite de pessoas para a embarcação carregada.

A apuração contradisse o que relataram os militares, de que havia 29 passageiros no momento em que Anna Karoline 3 zarpou do porto. O delegado frisou que duas crianças continuam desaparecidas, mas não informou a idade delas.

O caso foi encaminhado para a Justiça Federal e deve ser levado ao Ministério Público Federal para análise. Os indiciados aguardam em liberdade o progresso do caso.

Naufrágio

O naufrágio aconteceu na madrugada do dia 29 de fevereiro, próximo à Ilha de Aruãs e à Reserva Extrativista Rio Cajari, no Rio Amazonas, distante cerca de 130 km da capital Macapá.

A embarcação saiu de Santana com destino a Santarém no Pará. A dificuldade de acesso e comunicação no local, retardaram os contatos com a Capitania dos Portos do Amapá.

Mapa mostra onde aconteceu naufrágio da embarcação Anna Karoline 3 — Foto: Arte G1

De acordo com a investigação, a embarcação levava 170 toneladas de produtos, mais do que o dobro da capacidade, sem autorização para fazer esse transporte junto com passageiros. O navio também não tinha autorização para fazer operar no trecho do acidente.

Veja dados da Antaq sobre o navio:

Nome: Anna Karoline 3

Linha autorizada: Santarém – Manaus

Comprimento: 38,25 metros

Largura: 7,3 metros

Capacidade de passageiros: 242 passageiros (sem qualquer carregamento adicional)

Capacidade de carga: 89 toneladas

Quantidade de convés: 2

Veja o plantão de últimas notícias do G1 Amapá

Por Caio Coutinhho, G1 AP — Macapá

Nenhum comentário