Header Ads




Em uma semana casos de coronavírus crescem duas vezes e meia no Pará, e mortes quase triplicam. Ritmo é maior que da Itália, diz Fiocruz

Desde a última sexta-feira, 24, o Pará saltou de 1.361 casos para 3.176, e de 69 mortes para 325 vítimas fatais

Exatamente no dia 18 de março, o Pará confirmava o primeiro caso de covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus. Um mês depois, em 18 de abril, o Pará já tinha 627 casos e 32 mortes. Uma semana depois, em 24 de abril, o número de casos de mortes tinha mais que dobrado, com 1.361 casos e 69 mortes. E de sexta-feira, 24 de abril, até esta sexta-feira, 1° de maio, os números quase triplicaram, com 3.176 casos e 235 mortes.

Um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) aponta que o ritmo acelerado de crescimento no Pará é o maior entre os estados mais afetados pela covid-19, e superior à média nacional, comparado aos países devastados pelo coronavírus, como Itália e Espanha. Ritmo semelhante ao do Pará ocorreu nos Estados Unidos (EUA).

Pelo estudo da Fiocruz o Pará segue a mesma curva de crescimento dos números gerais do Brasil, que já são de 87.187 casos e 6 mil mortes até o início da tarde desta sexta-feira, segundo dados do último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde (MS). Além do Pará, nos estados do Amazonas, Rondônia, Pará, Paraíba, Pernambuco e Alagoas, o registro de novos casos equivale ao da Itália. Já o Maranhão é o que registra a mesma velocidade de óbitos dos Estados Unidos.

Colapso na saúde - Na quinta-feira (30), a prefeitura informou que todos os 125 leitos de UTI, os 1.118 de enfermaria e os mais 90 leitos de observação, estavam ocupados – e 95% são pacientes com suspeita ou confirmação de contaminação pelo novo coronavírus.

Em todo o estado, a ocupação de leitos exclusivos para UTI está em 91%, segundo o governo do estado.

Considerada a evolução de 24 a 30 de abril – última data para a qual há dados de todos os estados disponíveis – o crescimento do número de mortes no Pará é de 160%. O percentual só é menor que o de Rondônia (167%), mas o estado tem 16 mortes. No mesmo período, o número de mortes no Brasil cresceu de 62%, para 2.302.

Brasil – A mesma pesquisa da Fiocruz mostra que o número de óbitos no Brasil dobra em média a cada cinco dias. Este é o ritmo de crescimento registrado nos Estados Unidos, país que lidera o ranking mundial de mortes pelo coronavírus, com mais de 60 mil vítimas fatais da doença.

Os pesquisadores da Fiocruz constataram a presença dos vírus em todos os estados brasileiros e a rápida propagação por municípios menores. Quanto maior o número de casos de covid-19 em cidades pequenas, maior o risco de faltar atendimento onde a estrutura de saúde é ruim ou inexiste, e maior a migração de pacientes para as cidades maiores, onde já faltam leitos nas unidades de saúde.

O novo coronavírus já está presente em quase 80% dos municípios entre 50 e 100 mil habitantes. Nos municípios menores, a circulação comunitária já é visível e preocupa.

Fonte: O Globo

Nenhum comentário