Header Ads




Covid-19: estudantes voltam às salas de aula hoje, 1º de setembro, no Pará

Retomada ao ambiente escolar é gradativa e deve seguir medidas de distanciamento e rígidos protocolos sanitários
Crédito: Agência Pará

A partir de hoje, 1º de setembro, estão autorizadas ao retorno às aulas presenciais nas escolas das redes pública e privada no Pará. Estudantes de municípios que estejam em bandeira amarela, verde e azul (Zonas 3, 4 e 5), voltam para o ambiente escolar seguindo medidas de distanciamento e os protocolos de segurança apresentados pelo Comitê Técnico Assessor de Respostas Rápidas à Emergência em Vigilância em Saúde Referentes ao Novo Coronavírus (Ncov), da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

A retomada das atividades presenciais alcança os ensinos Infantil, Fundamental, Médio e Superior. No entanto, não é obrigatória. Por conta disto, as instituições que optarem pelo retorno das aulas deverão, obrigatoriamente, oferecer também a opção de ensino remoto aos alunos.

Calendário

O retorno das aulas presenciais deverá obedecer a critérios rigorosos de prevenção e higiene. Na primeira semana de retomada nas instituições, para os Ensinos Infantil e Fundamental, deve ser permitido o retorno de apenas 25% da capacidade física estrutural das salas de aula, já respeitando o distanciamento de 1 metro entre as carteiras. Na segunda, quarta e quinta semanas, o retorno deverá ser gradual, permitindo os quantitativos de 50%, 75% e 100%, respectivamente, sempre levando em consideração o distanciamento obrigatório.

Para os ensinos Médio e Superior, fica autorizado o retorno na primeira semana de 50% da capacidade física das salas de aula, respeitando o distanciamento. Este quantitativo poderá variar na terceira e na quinta semanas, flexibilizando o retorno para 75% e 100%, respectivamente.

Nos estabelecimentos onde há turmas de todas as idades, a recomendação é que a retomada seja iniciada pelos alunos dos ensinos Médio e Infantil, gradativamente, iniciando com a capacidade máxima de 25% das salas de aula na primeira semana. O retorno do Ensino Fundamental iniciaria a partir da segunda semana, também de forma gradativa (50% para Infantil e Médio, e 25% para o Fundamental). Todas as turmas só poderão retornar com a mesma capacidade (50%), a partir da terceira semana.
Foto: Agência Pará

Ensino Híbrido

Para que o retorno seja seguro, “cada modalidade de ensino deve ter o seu próprio protocolo de forma individualizada, ou seja, devem ser criados regras para a Educação Infantil, para o Ensino Fundamental e Ensino Médio. Também é necessário pensar na organização do tempo e do espaço pedagógico. Pensar as novas rotinas que serão criadas: a entrada, a saída, a organização da sala de aula, a alimentação escolar. Até mesmo o transporte escolar dos alunos deverá ser reordenado”, comenta a especialista em Gestão da Educação Pública, Leila Freire.

Outra possibilidade segundo a especialista é que os sistemas de ensino recorram ao ensino híbrido alternando aulas presenciais e as remotas; revezando momentos em que o aluno estuda sozinho, de maneira virtual, com outros em que a aprendizagem ocorre de forma presencial. Mas, a professora alerta que é preciso considerar que nem todos os alunos possuem acesso à internet.

Insegurança

Em julho, o Portal Roma News conversou com mães de alunos que relataram insegurança de mandar crianças à escola sem que covid-19 esteja controlada. Alguns chegaram a cancelar a matrícula.

Mãe de três meninas, a professora Márcia Peres decidiu que apenas a mais velha continuaria matriculada, mas estudando em casa, por vídeo aula. A professora assumiu integralmente a educação das outras duas. “Isadora e Monalisa eu cancelei a matricula e ensino em casa. A Valentina, como já está no ensino fundamental, não tinha como cancelar. Mas, se voltar, eu vou conversar com a professora para que ela entre da porcentagem que vai assistir aula em casa”, afirma. “Escola é aglomeração. Imagina uma criança de três anos, sentada em fila, sem poder se aproximar de ninguém. Eu não mandaria, de jeito nenhum”, completa.

Grupos de risco

Alunos e funcionários de grupos de risco poderão retornar às atividades presenciais seguindo todos os protocolos de segurança para minimizar o risco de transmissão. A recomendação é que as instituições fiquem atentas a estes grupos na realização rígida da higiene das mãos e com o distanciamento social de, pelo menos, 2 metros de outras pessoas.

Sala de acolhimento


Todas as instituições devem, obrigatoriamente, ofertar uma sala específica para o atendimento de alunos que tiverem contato com paciente de covid-19 ou com sintomas suspeitos, ou que apresentarem sintomas suspeitos quando estiver em ambiente escolar. Nesta sala, o aluno aguardará o responsável ir buscá-lo, o qual assinará um termo de que está ciente sobre os sintomas do aluno.

A unidade deverá notificar o caso à Sespa e fornecer os equipamentos de proteção individual (EPIs) necessários aos funcionários que irão atuar no ambiente.

Cartilha

A Procuradoria-Geral (PGE) disponibilizou uma cartilha virtual explicativa, com todas as medidas do plano de retorno gradual das instituições públicas e privadas de ensino, que decidirem retomar às atividades presenciais a partir desta terça-feira, 1º. A cartilha já está disponível para acesso livre e download. Veja aqui!

Fonte Roma News 

Nenhum comentário