Header Ads




Perícias médicas continuam suspensas no INSS

Crédito: Agência Brasil

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) vão vai continuar com as perícias médicas para os segurados em todo o país, pelo menos até esta quarta-feira, 16, de acordo com o próprio órgão, mas sem confirmar efetivamente quando o atendimento será normalizado.

Segundo o INSS, está sendo retomado o atendimento presencial apenas para avaliação social; cumprimento de exigências; justificação administrativa ou judicial e reabilitação profissional. Já a prova de vida continua suspensa até dia 30.

Na segunda-feira, 14, muitas pessoas tinham atendimento marcado, mas não foram atendidas após os médicos decidirem não retornar ao trabalho, alegando falta de segurança neste momento.

O órgão, no entanto, garantiu que o retorno será o mais brevemente possível após inspeções comprovarem a adequação dos consultórios.

As perícias são necessárias para permitir que trabalhadores recebam auxílio, retornem ao trabalho ou consigam a aposentadoria.

Segundo o INSS, agências estão funcionando nesta terça apenas para cumprimento de exigências, avaliação social, reabilitação profissional e Justificação administrativa.

No Rio de Janeiro, segurados chegaram a formar filas à espera de perícia na manhã desta terça-feira. Pouco depois das 7h, um segurança da agência saiu e disse que as pessoas que estavam ali não seriam atendidas.

Os segurados estão sendo orientados a reagendar o atendimento. O INSS informou que será possível verificar se a perícia retornou através do endereço covid.inss.gov.br, para assim, proceder com o reagendamento.

As agências do INSS começaram a reabrir nesta semana no país após quase 5 meses fechadas em razão da pandemia de coronavírus. Em São Paulo, as agências seguem fechadas por decisão judicial. O INSS informou que já recorreu.

Nesta primeira etapa, as agências atenderão apenas alguns serviços e somente mediante agendamento para evitar aglomerações.

O segurado pode verificar as agências abertas pelo site covid.inss.gov.br.

Fonte: G1

Nenhum comentário