Header Ads




Vigilância Sanitária flagra evento clandestino em Santarém; realização de festas está proibida

O responsável pela festa foi identificado e levado para prestar esclarecimentos na 16° Seccional de Polícia Civil.
Aglomeração de pessoas foi flagrada no Juá, em Santarém — Foto: Vigilância Sanitária/Divulgação

Durante ação de órgãos de segurança pública e Vigilância Sanitária, mais de 15 estabelecimentos foram visitados em Santarém, no oeste paraense, com o objetivo de coibir aglomerações. Uma festa clandestina foi flagrada e interrompida no bairro Juá.

Outro importante motivo da ação foi garantir que fosse respeitada a recomendação de não realização de festas no município. Na semana passada, a Justiça determinou que não fossem realizadas festas como medida de enfrentamento à Covid-19 e devido o aumento no número de casos da doença.
Local tinha 'paredão' de som e lista com itens a venda — Foto: Vigilância Sanitária/Divulgação

A operação foi realizada na noite de quarta-feira (24) e na madrugada desta sexta (25) e segundo a Vigilância Sanitária a maioria dos locais que foram visitados estavam fechados e os que estavam abertos recebiam apenas reuniões familiares.

Duas denúncias de festas clandestinas chegaram até os órgãos fiscalizadores, uma no bairro Mararu e outra no Juá. A primeira não foi encontrada, já a segunda foi interrompida, e nesse local foram flagradas pessoas sem máscara facial, aglomeradas e sem qualquer tipo de cuidado com o risco de ser infectadas pelo novo coronavírus. O responsável pela festa ilegal, foi identificado e levado para prestar esclarecimentos na 16° Seccional de Polícia Civil.

De acordo com o farmacêutico fiscal da Divisa, Maurício Campos, essa foi uma ação conjunta para proteger a população da contaminação pela doença. "Fizemos as vistorias na cidade, e em mais de 90% dos locais que realizam festas, encontrados as portas fechadas", disse.

As ações de fiscalização devem continuar sendo realizadas para garantir que a população cumpra tanto o decreto municipal quanto a determinação judicial.

Fonte G1 Santarém 

Nenhum comentário