Header Ads




Polícia faz buscas por assaltantes que roubaram táxi para cometer crimes em Santarém

Imagens de câmaras de segurança e informações levantadas no percurso percorrido pelos assaltantes auxiliam nas investigações.
Assaltantes em um minibox. Armados eles renderam o proprietário e roubaram dinheiro e celular — Foto: Reprodução/Câmeras de segurança

A delegacia especializada de Repressão a Roubos, em Santarém, oeste do Pará, assumiu o comando das investigações do roubo de um táxi por trio armado, que utilizou o veículo para a prática de outros crimes no município na tarde de segunda-feira (13).

A primeira vítima dos bandidos foi o taxista Ezequiel Silva, mais conhecido como “Goiano”. Ele viveu momentos de tensão e medo, após pegar uma corrida por volta das 13h de segunda. Três indivíduos que se passaram por passageiros anunciaram o assalto durante o percurso, chegando a encostar um arma na cabeça do taxista para que ele entregasse o veículo.

O táxi só foi encontrado cerca de 3 horas depois, abandonado às proximidades da propriedade conhecida como Fazenda Riker, no bairro Maicá. Antes, porém, o trio utilizou o carro na prática de outros assaltos.
Táxi foi abandonado por assaltantes no bairro Maicá, em Santarém — Foto: Reprodução/Redes sociais

"O que nós pudemos apurar a princípio é que o alvo era o veículo para a prática de outros crimes, tanto é que eles utilizaram no roubo a um pedestre que teve o celular subtraído e depois um comércio. A Polícia Militar encontrou o automóvel abandonado no bairro Maicá. Nós estamos aí monitorando a cidade, buscando imagens, fazendo todo o percurso que eles andaram para identificá-los e prendê-los", disse o delegado Gilvan Almeida.

Durante o relato do taxista à polícia, ele comentou sobre o sotaque de um dos bandidos, que não é característico da região, por esse motivo, a polícia não descarta que pessoas que fora ajudadas por pessoas daqui estejam envolvidas nos assaltos.

"Isso aí se trata de uma associação criminosa. São três indivíduos armados e ao que tudo indica, perigosos. Não se pode descartar a possibilidade de ser alguém de fora que tenha apoio de pessoas daqui, tudo está sendo investigado. O que a gente pede às pessoas é que não reajam a qualquer tipo de assalto, porque a tendência é sempre levar a pior. Nós estamos atentos, investigando e mais cedo ou mais tarde eles vão ser presos", pontuou Gilvan Almeida.

*Colaborou Érique Figuêiredo, Tv Tapajós

Fonte G1 Santarém 

Nenhum comentário