Header Ads




Atestados falsos são vendidos no centro comercial para quem quer furar fila da vacinação

O comércio de atestados não é raro na região, mas tomou novos rumos com a nova fase da vacinação contra a covid-19.
Crédito: Divulgação/Twitter

Vendedores ambulantes da Praça da Sé, no centro de São Paulo, estão oferecendo atestados médicos falsos de comorbidade para quem quer se vacinar contra covid-19 antes da sua vez.

Os vendedores oferecem um “kit completo”, com atestado médico de doença e receituário de medicamento, de acordo com as informações de um jornal local. O kit custa R$ 220.

O comércio de atestados não é raro na região, mas tomou novos rumos com a nova fase da vacinação contra a covid-19, que está imunizando pessoas com comorbidades, tais quais diabetes, hipertensão e doenças cardíacas. Para receber a dose, no entanto, é preciso de atestado comprovando ter a doença.

A venda ocorre entre a saída do metrô Sé e a entrada do Poupatempo, na Praça do Carmo, onde há diversos policiais militares de plantão. São oferecidos às pessoas que passam pelos “arrastadores”.

Os atestados vêm com nome completo do falso paciente, número da CID (Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde) e assinatura e carimbo de uma médica com CRM (Conselho Regional de Medicina).

Os vendedores oferecem o atestado por R$ 150, mas recomendam também a aquisição de uma receita falsa para compra de medicamento para a doença que se tenta comprovar. Os ambulantes afirmam que assim há mais credibilidade na hora de se vacinar. A credibilidade aumenta se a receita for usada em uma farmácia e, assim, receber o carimbo de um farmacêutico.

A Secretaria de Segurança Pública afirma que o caso será investigado. Um homem já foi preso pela venda de atestados de comorbidade falsos, no último dia 11. Com ele, foram apreendidos vários atestados já assinados. A Secretaria também garantiu que as polícias Civil e Militar atuam na região para impedir esse tipo de comércio.

A Secretaria de Estado de Saúde também foi acionada.

Com informações do G1

Nenhum comentário