Header Ads




Equatorial Pará orienta sobre cuidados com cerca elétrica

As orientações fazem parte do de conscientização da distribuidora em relação aos riscos e perigos associados a eletricidade
Como mais um recurso de proteção aos imóveis, muitas famílias paraenses recorrem ao uso de cercas elétricas, principalmente em residências onde habitam crianças. Mas, por envolver eletricidade, a atenção a esse recurso deve ser redobrada desde a instalação, pois as cercas elétricas podem colocar em risco a vida de quem vive diariamente rodeado por esse equipamento.

Um levantamento apresentado no Anuário Estatístico da Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel) aponta que só este ano de 2021 já foram registrados 13 acidentes com vítimas fatais, causados por cercas elétricas. No Pará, em um levantamento feito pela Equatorial Energia, um caso com vítima fatal foi registrado em agosto de 2020, na zona rural do município de Alenquer, região oeste do Estado, quando um homem encostou-se a uma cerca elétrica que estava energizada de forma clandestina.

Embora a instalação, manutenção e/ou reparos das cercas elétricas não sejam de responsabilidade da distribuidora de energia, o Executivo de Segurança da Equatorial Pará, Alex Fernandes, ressalta que apenas profissionais e empresas qualificadas devem ser contratados para a execução desse serviço. “É importante acrescentar que as pessoas que adotam esse tipo de proteção, também reforcem os avisos de que naquele local há risco de acidentes”, afirma.

A preocupação maior é principalmente com as instalações clandestinas que, inclusive, podem ocasionar acidentes fatais. Como forma de prevenir esse tipo de situação, a Equatorial Pará apresenta algumas dicas sobre como evitar acidentes com cercas elétricas:

A recomendação principal é jamais fazer esse tipo de instalação improvisada. Procure uma empresa especializada que faça esse serviço para assegurar que tudo seja feito seguindo critérios técnicos essenciais para o funcionamento seguro, com material de qualidade e certificações necessárias.

As instalações de cercas elétricas clandestinas podem ocasionar acidentes graves e até fatais, pois não estabelecem limite de corrente e têm uma descarga prolongada. Além disso, é crime e o proprietário pode responder em caso de acidentes;

• O equipamento instalado para energizar a cerca deverá prover choque pulsativo em corrente contínua, com amperagem que não seja mortal, em conformidade com as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT);

• Em casos de curto-circuito, não tente resolver sozinho, pois o risco de levar uma descarga elétrica é muito grande. O melhor a se fazer é chamar a empresa especializada para a manutenção da cerca elétrica;

• Caso alguma pipa, galhos ou outros objetos caiam sobre a cerca, a recomendação é desligá-la antes de retirar o objeto;

• Redobre a atenção com as crianças que costumam criar brincadeiras com objetos capazes de alcançar a cerca elétrica. Crianças são sempre curiosas e, por ficarem mais tempo em casa, podem colocar objetos metálicos ou que conduzam eletricidade em contato com a cerca elétrica;

• Segundo a NBR/IEC 60335-2-76/2018, as cercas elétricas devem ser devidamente sinalizadas de forma que evitem o toque acidental de pessoas desavisadas;

• As cercas elétricas nunca devem ser instaladas em altura inferior a 2 metros e meio (2,5 m).

A Equatorial Pará orienta ainda que se alguém for vítima de acidente com energia dentro da unidade consumidora, não se deve tentar tocar na pessoa que está recebendo a descarga. A melhor forma de ajudar é desligar o disjuntor ou a chave geral e ligar para a emergência no 192 ou 193.

Se o acidente for em via pública, além das orientações já mencionadas, é preciso acionar a distribuidora por meio dos canais de atendimento que estão disponíveis 24h, no telefone 0800 091 01 96, pela assistente virtual Clara, via WhatsApp no número (91) 3217 8200, pelo site www.equatorialenergia.com.br e ainda pelo App Equatorial Energia, para que seja feito o desligamento da energia.

Blogdocarpê com informações Ascom Equatorial 

Nenhum comentário