Header Ads




Subprocuradora-Geral da República aceita pedido da PF e Helder pode ser indiciado por compra de respiradores


Crédito: Marco Santos / Agência Pará

A Subprocuradora-Geral da República, Lindôra Araújo, deu sinal verde para que a Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) prossigam com as investigações que podem culminar com o indiciamento do governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), pela compra de respiradores que jamais funcionaram em plena pandemia de Covid-19. A informação foi divulgada nesta sexta-feira, 14, pelo blog do jornalista Olavo Dutra e a reportagem do Portal Roma News teve acesso à decisão.

Confira na íntegra.

O dossiê foi encaminhado ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) com o pedido de indiciamento do governador, secretários e assessores, além de apontar inúmeras irregularidades pela conta da compra de 400 respiradores inadequados para o tratamento de paciantes com covid-19.

Lindôra Araújo se manifestou dizendo que o Ministério Público Federal (MPF) não precisa de autorização do STJ, o que significa que Helder poderá ser indiciado conforme o prosseguimento das investigações. A subprocuradora também autorizou que o governador seja submetido à sabatina do MPF, em Brasília, sem acesso aos documentos investigados.

Na pandemia, o estado do Pará teve cinco batidas da PF, que diz ter mapeado fraudes na casa dos R$ 650 milhões. Em fevereiro, a Polícia Federal pediu o indiciamento de Helder por desvios de recursos na pandemia. O caso tramita em sigilo no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Como se tratava de uma compra emergencial, os equipamentos foram adquiridos sem licitação. Por causa dessa irregularidade, a PF deflagrou a Operação Bellum em junho do ano passado, cumprindo 23 mandados de busca e apreensão, inclusive no gabinete e na mansão de Helder. Dentro da mesma operação, o governador e outros sete investigados tiveram 25,2 milhões de reais bloqueados pela Justiça. Na época, Helder se disse “enganado” e se sentia “tranquilo” porque teria recuperado os valores desviados.

Fonte Roma News 

Nenhum comentário