Header Ads




Enfermeiras obstétricas do Hospital Municipal ensinam a técnica Shantala para mães de bebês em Santarém

Ao todo, 16 mulheres puérperas, que estão internadas, participaram da atividade.
Por g1 Santarém e Região — PA
Técnicas de Shantala foram ensinadas a 16 mamães de bebês na obstetrícia do HMS — Foto: Ascom HMS/Divulgação

Com o objetivo de humanizar o atendimento para mamães e bebês na obstetrícia do Hospital Municipal Dr. Alberto Portela (HMS), em Santarém, oeste do Pará, a equipe de enfermagem realizou na quarta-feira (29) uma palestra e demonstração das técnicas de relaxamento como Shantala, massagem derivada da técnica Ayurvédica, com vários benefícios já bem documentados pela literatura científica.

Ao todo, 16 mulheres puérperas, que estão internadas, participaram. Elas ficaram sentadas em cadeiras ao redor da instrutora, em um espaço organizado dentro de uma das enfermarias da Unidade.

A atividade iniciou com uma breve explicação teórica e em seguida a enfermeira obstetra do HMS e instrutora de Shantala, Eliene Silva, fez o passo-a-passo em uma boneca. Entre as principais orientações estão, o bebê deve ter mais de um mês de vida, o uso de óleos naturais e estar em um ambiente confortável para a família. Em caso de doenças, é interessante ter cautela pois a massagem pode potencializar o quadro. O método poderá ser feito em crianças até 7 anos de idade ou até quando elas aceitarem a prática.

Segundo Eliene, o momento foi pensado para estimular as participantes a conhecerem algumas técnicas para aliviar a tensão do pós-parto e fortalecer ainda mais o vínculo com os bebês. “A Shantala é uma massagem que pode ajudar no desenvolvimento motor e psicossocial do neném. Uma das funções é estimular o sistema sensorial através do toque e alongar alguns músculos importantes para o desenvolvimento”, explicou.

Para a mamãe Bruna Karina, 20 anos, que está estreando na maternidade com o João Miguel de 2 dias de vida, participar da palestra e ver como realizar os movimentos no corpinho da criança a motivou. “Eu não esperava participar de uma atividade como essa aqui na obstetrícia, eu vou fazer no meu bebê. A instrutora ensinou-me de forma prática e sei que pode fazer diferença para mim e para ele. Eu vou conseguir fazer na minha casa”, falou.
Enfermeira repassando técnicas de shantala às mamães de bebês na obstetrícia do HMS — Foto: Ascom HMS/Divulgação

A pesquisa do trabalho científico Mapa de Evidências Clínicas da Shantala, realizado em 2019 pelo Consórcio Acadêmico Brasileiro de Saúde Integrativa (CABSIN) e o Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde da Organização Pan-Americana da Saúde (Bireme/Opas/OMS), explica que esta massagem terapêutica, além de favorecer os vínculos e trazer relaxamento tanto para quem recebe quanto para quem aplica, promove especialmente a melhoria de distúrbios comuns na infância.

A pesquisa diz ainda que a massagem promove a estimulação do sistema sensorial, a consciência corporal e intensifica o vínculo afetivo mãe-bebê.

Popularização

A prática foi popularizada pelo obstetra francês Frédérick Leboyer quando, em uma viagem ao sul da Índia, viu uma mãe acariciando seu filho de forma amorosa e acolhedora. A mulher se chamava Shantala e a maneira dócil e cuidadosa como tocava a criança passou a ser estudada por Leboyer e conhecida mundialmente.

Fonte G1 Santarém 

Nenhum comentário